Hoje, 23/09, além de ser o segundo dia da primavera, também é comemorado o dia do sorvete. E se tem algo que merece ser celebrado é ele. Eu, que não sou do de doce, que dispenso as mais elaboradas sobremesas, sou incapaz de resistir a um gelado.

Também pudera. À base de açúcar, gordura, leite e ar se junta toda sorte de delícias. Frutas, amêndoas, bolos, biscoitos, chocolates e até bebidas alcoólicas  Não tem como ser melhor, muito menos dar errado. Até no truque caseiro o sorvete funciona.

A ideia surgiu sabe-se lá quando e onde. Suspeita-se que tal alquimia de gelo e sabor remonta de milênios atrás, quando chineses já cultivavam o hábito de temperar bocados de neve das montanhas com caldas e mel.

Nero, o imperador, na Roma antiga enviava escravos aos Alpes para abastecer sua cozinha de neve e saborear o que suspeito ser a primeira raspadinha da história, anota Roberta Malta Saldanha em seu História, lendas e Curiosidades da Gastronomia (ed. Senac).

Relatos contam ainda que Alexandre Magno, antes mesmo de Jesus passar pela Terra, teria sido apresentado à mistura de neve, frutas picadas e mel. Algo mais próximo ao sorbet, já que não levava gordura de leite nem ovos.

Como aconteceu com quase tudo que conhecemos, reza a lenda que foi o veneziano Marco Polo que trouxe na sua mala (mais fantástica que a do gato Felix) o sorvete para o ao ocidente. Quando a italiana Catarina de Médice casou-se e mudou-se para a França levou com ela invenção.

Foi só na Inglaterra, em 1971, que o leite e os ovos foram incorporados ao sorvete graças ao pâtissier do Rei Carlos II, o francês De Mirco. Por aqui, o nosso calor senegalês, atrasou a chegada da novidade. Os brasileiros só foram conhecer o sorvete em 1834, quando um navio norte-americano aportou no Rio de Janeiro com 217 toneladas de gelo para um confeitaria na rua do Ouvidor. Já em São Paulo, o primeiro registro vem de um jornal de 1878 que anunciava: “Sorvetes – todos os dias às 15h, na Rua Direita, 14”.

Desde então, temos sorvete todos os dias em inúmeros lugares de todas as cidades, amém! Agora vamos ao que interessa: abaixo dicas para fazer sorvete em casa e tomar na rua.

 

Para tomar em casa

 

Receita de sorvete de Amora

Receita de Afogatto com Sorvete Caseiro de Cookies e Expresso de Baunilha

Mais receitas:

Sorvete crocante de pecãs com flor de sal + Bananinhas caramelizadas com laranja – da Cozinha da Matilde

Sorvete de Guinness – Have a Nice Beer

Sorvete de Quindim – da The Cookie Shop 

 

Para tomar na rua:

 

Bacio di Latte

A sorveteria honra a fama dos gelatos italianos, por isso se tornou uma unanimidade entre os brasileiros. Não por o acaso. É cremoso, macio e com sabor acentuado. O sorvete de morango tem de fato o gosto da fruta. Talvez seja o mais próximo que se pode chegar de um autêntico gelati italiano aqui no Brasil.

Veja onde encontrar as lojas Bacio di Latte aqui.

 

Sorbê – Sorvetes Artesanais

Rita Medeiros é um gênio da sorveteria. Eu a conheci no Paladar do Brasil, quando assisti sua aula e provei sorvetes feitos de frutas do cerrado como pequi, cajá manga, cagaita, Uvaias, graviolas, cajuzinhos, umbú-cajá, sapotí e jenipapo. Todos os sorvetes dela são feitos de forma artesanal com antigas máquinas, sem conservantes e estabilizantes. Baseada no extrativismo, Rita produz sorvetes de acordo com a disposição da natureza. Cada fruta tem sua época e o sorvete também. A notícia ruim é que se você não mora em Brasília, terá que ir até lá para provar.

Veja onde encontrar a Sorbê, aqui.

 

Dilleto

Na loja gigantesca do Jardins em São Paulo, dá para experimentar o ponto alto da marca: os picolés. Cremosos (até mesmo os de fruta), eles são feitos com matéria-prima trazida da Itália, e trazem estampados na embalagem as calorias, que pasmem, são baixas variando entre 59 a 170. Para quem não pode ir a loja, hoje eles já distribuem seus picolés em diversos supermercados e lojas do ramo.

Veja onde encontrar seu picolé Diletto aqui.

 

Restaurante Capim Santo

Para quebra o gelo (há) vale tomar um sorvete diferente na sobremesa do restaurante. Para honrar o nome da casa e linha brasileira de sua cozinha a chef Morena Leite oferece no seu restaurante um sorvete de Capim Santo por R$ 11.  Há ainda sorvete de queijo que acompanha o Creme Brulée de abóbora por R$ 14.

Veja como chegar no restaurante Capim Santo aqui.

 

Casa Nero

Não bastasse fazer um dos melhores hambúrgueres da cidade, na Casa Nero, você pode se fartar com o Epic Sundae. Feito com sorvete de creme caseiro, calda de chocolate, caramelo e farofa crocante, por R$ 18. Um clássico que jamais morrerá.

Veja onde encontrar a Casa Nero.

 

Facebook Comments

Nas Categorias: Blog, Reportagem