Acho que você precisa disso…fazia para o meu pai; bebia demais – tentando esquecer minha mãe…” Esse diálogo aparece no filme “Sabes o que quero” (1956), quando a dadivosa mocinha, Garry Jordan (Janye Mansfield, na foto) salva a pele do assessor de imprensa beberrão Tom Miller (Tom Ewell, na foto) dos gângsteres e, de quebra, cura sua ressaca.

O “elixir” eternizado por Hollywood na cena ao lado é nada menos que o Bloody Mary. “De todos os coquetéis reanimadores, é o mais versátil e palatável”, descreve Tobias Steed no livro Coquetéis de Hollywoody.

Um drink temperado, salgado e picante e que sustenta a fama de bebidas de dia seguinte. Há quase 100 anos, a combinação de suco de tomate, tabasco, molho inglês, limão e pimenta-do-reino a uma generosa dose de vodca, leva o mérito de levantar qualquer moribundo depois de uma noite de esbórnia.

Mas de sanguinário o Bloody Mery só tem a cor e o nome. Alcunha essa que, reza a lenda, se deve à Mary Tudor (Maria I), rainha da Inglaterra.

O coquetel teria sido levado aos EUA após a Lei Seca, pelo seu criador, o barman Fernand “Pete” Petiot, em 1920. Foi ele quem misturou pela primeira vez, em Paris (no Harry’s New York Bar), tais ingredientes. E atribuiu o nome da monarca como analogia à sua índole de assassina na implacável perseguição aos protestantes puritanos, no período da restauração do catolicismo apostólico romano. “Mary, a sanguinária”.

O vermelho do drink se deve tão somente ao suco de tomate, a base da receita. E não por acaso, atribuo a esse vegetal a culpa do Bloody Mary levar o título de meu drink favorito ao lado do Dry Martini.  Além de amar muito tomate, não sou de bebidas doces. A combinação da acidez do vegetal com os temperos me faz ignorar até a vodka, que também não está entre as minhas preferências.

E de tanto amar o drink que parece comida, decidi transformá-lo em prato. E acabei preparando uma sopa Blood Mary. No link abaixo a versão do clássico coquetel para comer. E aqui a receita do drinque original do Harrys’s.

 

Receita: Sopa Bloody Mary

 

Facebook Comments

Nas Categorias: Blog, Reportagem