Receitas

Carne moída: amor eterno, amor verdadeiro

Por Larissa Januário em: em: 19 de Abril de 2018
Tags:

 

Esqueça aquele refogado acinzentado com cara de cansado que você sapeca para o almoço e depois sofre só de ver a tupperware com as sobras abandonada no canto da geladeira.  A carne moída quando bem tratada vira diva das refeições. Com apenas 1 único quilo você pode fazer render inúmeros pratos diferentes.

Para te ajudar no rolê, passo a seguir umas dicas essenciais de compra, armazenamento e de quebra receitas maravilgods para tirar o tédio desse ingrediente que mais que nosso amigo, é nosso friend na cozinha.

1 – JAMAIS compre carne já moída em bandeja. Sério! Você não tem garantia nenhuma de está comprando nem desde quando aquilo está ali embalado. Escolha um açougue de confiança, faça amizade com o açougueiro (todo mundo tem que ter um amigo açougueiro nessa vida) e peça para moer uma peça de carne na hora. “Mas Larissa eu não tenho tempo para ir no açougue”.  Pois arrume! Se você tem tempo para o Netiflix, você tem para escolher sua comida de maneira descente.

2 – Escolha cortes mais BARATOS para moer. O objetivo de moer a carne e romper as fibras e facilitar a cocção de carnes com textura mais rígida. Ou seja, é meio que burrice moer cortes caros como filé mignon, picanha e contra filé.

3 – Cada corte tem sua finalidade. Para preparos como quibe cru, carne de onça ou steak tartare (se você não for moer na ponta da faca) o mais indicado são cortes magros como peixinho e patinho extra limpos para evitar fibras difíceis de mastigar (olha aí a amizade com o açougueiro fazendo a diferença de novo, dá aquela xavecada e pede pra limpar bem). Já para hambúrgueres e almôndegas, o ideal são cortes com mais gordura, como acém e paleta. Eles vão deixar esses preparos mais suculentos. Ou misturados com elementos ricos em gordura.

4 – Congele a carne moída já porcionada na quantidade que você usa no dia a dia. Assim você vai descongelando a medida certa de usar.

5 – Inove nos formatos com preparos variados que também possam ser congelados um a um. Como nessas receitas aqui: mini almôndegas, polpetones, quibe e claro, burguers.

6 – Na panela, na hora de refogar a carne moída, JAMAIS comece pelos temperos. Doure primeiro a carne em pouca  gordura, em fogo alto e deixe dourar. Só depois tempere com sal, cebola, alho, ervas e aromáticos. Isso evita que a carne fique cinzenta e com aspecto e gosto de cozida.

7 – A carne moída é excelente parceira de marmita. Diferente de outros cortes, ela não corre o risco de passar do ponto ou mudar de textura quando requentada.

8 – A carne moída vira um monte de coisa.  De receitas para o dia a dia a pratos festivos, ela é diva absoluta da praticidade e versatilidade. Por isso, listo abaixo, os hits da minha cozinha para você pegar carona nesse básico.

 

Receita: Bucatini com polpettine e molho pomodoro (mini almôndegas com molho de tomate)

Receita: Polpettine ao curry verde de legumes com cuscuz marroquino

 

Receita: Petiscos de carne de onça ou steak tartare paranaense

 

Receita: Petisco de carne moída agridoce com Sriracha

Receita: Mexidão de carne moída, feijão, arroz e ovo

Receita Passo a Passo: Escondidinho de Batata com Carne Moída e Legumes

Receita de Chili de Carne

Receita: Quibe Assado Recheado com Trigo, Nozes e Coalhada Seca

 

Receita: Shepherd’s Pie (Torta de Carne Inglesa)

Receita: Bolo de carne recheado com legumes e queijo

Receita passo a passo: Charutinhos com folha de uva, repolho e couve

Uma pitada de reportagem: como nasceu o steak tartare

Receita: passo a passo do autêntico molho à bolonhesa (ragú alla bolognese)

Parmegiana Burguer de carne

Receita: Meatball Sub, o Sanduíche de Almôndegas do Joey

Receita: Tutano Burguer

 

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *