Charutinho é algo que eu comia muito na infância. Lá em Goiás, como o quibe, eles são bem populares, as mães sempre fazem. Acho que é uma comida que combina com criança. O nome é lúdico e os ingredientes dificilmente desagradam. Sem contar que pra me agradar é só “xuxar” carne moída. E esse climinha outonal, a anti-sala do inv(f)erno, atiça muito a minha vontade de sentar no colo da minha mãe e chorar, ou comer coisas que me abracem pro dentro.  Logo, como minha mãe está longe, fui para o fogão e mandei ver no charutinho. Com vocês, o meu trio de couve, folha de uva (o favorito pelo sabor refrescante) e repolho. E lá em baixo, um pouco da história na nossa já esperada pitada de reportagem.

Receita: Charutinhos com folha de uva, repolho e couve 

Ingredientes (para uns  15 charutinhos – 5 de cada verdura) Para o recheio Carne moída magra (usei meio quilo de patinho moído duas vezes) Arroz cru (usei 1 xícara de agulhinha) Sal (1 colher de café basta) Pimenta síria (nada mais é que uma combinação de especiarias maceradas: noz-moscada, zimbro, cravo, pimenta-do-reino e canela – foto acima) 1 cebola triturada ou picada em cubinhos bem pequenos Para a montagem 5 folhas de couve 5 folhas de repolho 5 folhas de uva  Para o molho do cozimento Extrato de tomate (1 colher de sopa cheia basta) 2 xícaras de caldo de carne natural diluído em 2 xícaras de água (se não tiver, ferva 4 xícaras de  água com 1/2 cebola, 1 cenoura, 1 talo de salsão, 2 dentes de alho e cheiro verde por 20 minutos e coe e use essa caldo falso) Sal (1/2 colher de café, melhor errar pra menos, sempre) 1 folha de louro 1 pimenta dedo-de-moça inteira ou 1 pimenta de bode (opcional)  Preparo Junte à carne, a cebola, o arroz, o sal e a pimenta síria. Reserve. Vamos às folhas. O processo é o mesmo para todas as folhas, por isso, vou mostrar só a de couve (meu favorito é o de folha de uva, mas esse foi o que ficou melhor na foto). Primeiro, você deve branquear cada uma delas. Isso significa mergulhar em água quente por alguns segundos e depois dar o choque térmico em água gelada para interromper o cozimento. Não queremos folhas cozidas, apenas flexíveis para enrolar sem quebrar. Retire da água e deixe escorrer. Corte o talo da folha, coloque um pouco de recheio no centro e faça a primeira dobra para cobri-lo. Dobre as laterais como se fosse um embrulho e enrole até ficar bem fechadinho. Atenção, não use MUITO recheio, para não abrir durante o cozimento. Repita o mesmo processo com as outras folhas até o fim do recheio. Veja como devem ficar: Para cozinhar, acomode em uma panela os charutinhos. Cubra com o caldo (ou com a água temperada) tampe e leve ao fogo alto por 20 minutos (ou até ficarem macios). Se usar panela de pressão, conte 5 minutos depois que começar a chiar e pronto. Sirva sozinho ou com salada de trigo, a mesma do recheio do quibe, colhada seca, pães pita e até babaganuche (receita aqui em breve).  

Uma pitada de reportagem: Charutinho, um velho amigo da cozinha mediterrânea

 

Facebook Comments

Nas Categorias: Pratos Principais, Receitas