Abobrinha: o legume mais acessível da feira

};?>

 

 

Abobrinha, o que dizer desse legume meigo, inofensivo, acessível e atemporal? Ela transita livremente entre a mesa do dia a dia e os pratos mais incrementados sem passar vergonha. Sem contar sua flor, infelizmente pouco consumida no Brasinha..faça esse favor a você e prove.

 Todo mundo sempre tem uma abobrinha esquecida no canto da fruteira ou na gaveta da geladeira para dar aquela salvaguarda no momento #mddcqfdc.  Até a galera do #lowcarb #fit #glutenfree gosta dela!
Pode ser crua cortada fininha na salada, ralada na farofa, picada na sopinha ou dando aquele engrossada no bonde do macarrão com camarão.
Sempre maravilhosa!
Mas é recheada ela atinge a apoteose do nosso samba.
Por isso, num momento de aperto eu apelei pra esse amiga, que ao lado da carne moída forma uma das duplas mais imbatíveis ever.  Fiz rolinhos de mini almôndegas com muçarela bolinha e chuchei num molho para levar ao forno até dourar. Ficou amor, ficou agro, ficou pop.
E não me venha com essa de crossdresser de espaguete ou lasanha. Parem!
A abobrinha não necessita desses subterfúgios para ser amada. Ela merece ser desejada pelo que é!
Por isso, fiz uma coletânea Greatest Hits de receitas com essa musa discreta.
Siga os meus passos e seja feliz:
Minis mesmo! Vale chamar a família para ajudar a enrolar. Sem contar que é um puta mindfulness.
 Corte a abobrinha em fatias finas e enrole com uma almondeguinha e um cubo de queijo. Eu usei muçarela fresca, mas vale usar qualquer queijo com boa derretência.

Espalhe o molho em uma travessa que pode ir ao forno.

Vá encaixando os rolinhos de pé sobre o molho. Salpique parmesão ralado, sal e pimenta-do-reino.

a beleza no forno.

 

Receitas com abobrinha:

Receita: 10 passos para o melhor ragu alla bolognese da sua vida (e um pouco sobre Bologna)

};?>

 

 

 

FullSizeRender

Recentemente estive em Bologna. Uma grata surpresa depois de mais de 20 dias viajando pela Itália. Surpresa porque essa não é das cidades mais aclamadas como destino do país perdendo para as famigeradas Florença, Milão e Costa Amalfitana.

No entanto, se você gosta de comer, tem a obrigação moral de colocar essa joia da Emilia Romagna na sua lista na próxima visita à Itália. Só para se ter uma ideia é de lá que vem coisas maravilhosas como o autêntico parmigiano-Reggiano e a verdadeira mortadella, além de um dos melhores acetos balsâmicos do mundo.

Sem contar as receitas, como a lasanha verde à bolonhesa e o tortellini de zucca. Não à toa,  a cidade tem o apelido de La Grassa (algo como, A Gorda). É pra morrer de amor, né?

E não por a caso, é de lá que vem o atual melhor restaurante do mundo, a Osteria Francescana, comandada pelo chef Massimo Bottura. Aqui eu conto as 10 coisas que você precisa saber sobre Bologna antes de ir pra lá.

Mas aqui, compartilho com vocês uma das melhores coisas que comi e aprendi em Bologna: os passo do molho bolonhesa, ou ragu alla bolognese. A massa que mais combina é o tagliatelle. Mas também vai bem com rigatoni, conchiglie ou fusilli.  Os bolonheses raramente, para não dizer nunca, o servem com espaguete.

Então, para que você vire uma nona da Emilia Romagna, aqui vão as minhas dicas coletadas direto na fonte:

1 – A BASE: Comece com os legumes do mirepoix (nome francês para a base de cebola, cenoura e talos de salsão para inúmeros molhos e caldos). Tudo cortado em cubos mínimos ou no processador. Como eu não curto salsão,  uso talos de salsinha. Mas basicamente é isso.

2 – FAÇA MUITO MOLHO: como essa receita é demorada, o trabalho de fazer pouco ou muito é o mesmo.  Por isso, faça muito molho distribua na família e na vizinhança, esfregue na cara, aplique nos cabelos durante o banho ou apenas congele para outros usos futuros como esse aqui e esse aqui.  O importante é fazer render o tempo e o gás que você vai gastar na cozinha.

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida2

3 – A PANELA: Para um bolonhesa que se prese é preciso uma panela de peso. Tipo de ferro ou pelo menos com mais fundos que sua conta bancária. Sério, o molho vai ficar muito tempo no fogo, a penela tem que ser capaz de segurar esse tchan. Lembrando que faremos molho A LOT, por isso a panela deve segurar também em quantidade.  É simples prever esse momento: junte mentalmente (ou fisicamente) os ingredientes (antes de cozinhar ou desembalar) e avalie se aquela sua panela “grande” comporta todos eles.

Não, né? Óbvio. Então volte duas casas e vá descolar uma panela de pelo menos 3 litros de capacidade antes de se meter a fazer bolonhesa.

mirepoix_semmedida_larissa_januariopeq

4 – NO FOGÃO: Depois dessa aula de violão alla Phoebe, você deve estar se perguntando que horas começará a fritar a pestana no fogão. É agora! Vamos lá. Aqueça 3 colheres de sopa de manteiga (não, não é uma receita leve) e 1 colher de azeite de oliva (não precisa ser extravirgem, que eu já expliquei aqui). Quando a manteiga derreter coloque a 1 xícara de cebola picada em cubos e deixe suar até que ela fique transparente. Coloque depois 1 xícara de cenoura e 1 xícara de talos de salsinha (ão) igualmente picadinhos. Cozinhe por uns 2 minutos mexendo bem os legumes.

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida25peq

5 – A CARNE: adicione 700g de carne moída ao refogado e misture bem. Nessa hora já tempere com uma boa pitada de sal. Há na Itália variações de molho bolonhesa que levam uma parte em carne de porco para agregar mais sabor ao molho. Você pode colocar ou não. Mas é importante lembrar que a beleza do bolonhesa está na proporção de gordura da carne usada. Por tanto, para um molho mais saboroso, use cortes mais ricos em gordura como acém ou peito. Patinho e peixinho não terão a mesma emoção.
molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida7

6 – O LEITE: Aqui está a manha da ariranha que ninguém te conta NUNCA. Quando a carne tiver perdido o tom vermelho cru você vai acrescentar 2 xícara de leite integral. E deixe a carne cozinhar em fogo brando até que o leite seque completamente. Nesse momento já pode entrar com 1 pitada de noz-moscada (eu boto mais porque gosto muito dessa especiaria, olha a foto abaixo chapiscada de noz-moscada de ryca).

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida8

7 – O VINHO BRANCO: Sim, branco seco. Nada de vinho adocicado (aliás, pare com isso e vinho doce). E escolha um vinho com um mínimo de qualidade. Pelo simples fato de que você pode até ser um gênio na cozinha, mas não é o Gandolf nem Jesus. Um vinho ruim não vai ficar melhor na panela, bem o contrário. Além do mais, você vai precisar de apenas 2 xícaras de vinho branco. Por tanto, escolha um vinho que você beberia, porque provavelmente vai fazê-lo.

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida9

8 – TOMATE: Só depois que o vinho branco secar é que você vai incluir o tomate. Pode ser 3 xícaras de tomate pelado ou 3 xícaras de tomates frescos maduros sem pele picados. Misture bem para que ele se integre com toda a galera que chegou antes.

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida10

9 – ÁGUA: Sim, água. Esse molho vai permanecer um bom tempo no fogo brando. Inicialmente não precisa de água, pois os tomates já vão soltar sua suculência, mas a medida que for secando é importante ir incorporando água para não queimar.

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida11

10 – TEMPO: Esse é talvez o mais importante dos ingredientes de um bom bolonhesa. Separe pelo menos 4 horas, nunca menos de 3h (avisei que exigia dedicação), para pajear o molho.  Caso você saia, desligue o fogo, cubra com uma tampa e quando voltar destampe e continue. E jamais, em hipótese alguma, tampe a panela durante o cozimento. Molho tem que respirar, transpirar e apurar.

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida12

Ah! Depois de ralar o tchan, rale parmigiano-reggianio sobre o pratos para dar aquele arremate dos deuses da gordice suprema.  De nada!

molho_bolonhesa_larissa_januario_semmedida18massa


Receita: Petisco de carne moída agridoce com Sriracha

};?>

 

carne_moida_agridoce_semmedida_larissa_januario11

Carne.Moída. Apenas amo. É o que eu pediria no corredor da morte sem a menor sombra de dúvida. Até que… descobri que sempre fiz errado. Sim, eu sempre fiz errado. Até que um dia o Gordon (o Ramsay) e a minha sogra me ensinaram a fazer do jeito certo. E pra comemorar eu fiz esse petisco de carne agridoce com Sriracha, o molho de pimenta hipster (levemente adocicado).

Basicamente o meu erro era começar pelo refogado básico de cebola e alho e só depois entrar com a carne. Isso fazia com que a carne soltasse água e ficasse cinza. Aí, para dar cor, tinha que esperar secar toda a água, o que levava bem mais tempo. O melhor é você PRIMEIRO fritar a carne em azeite/óleo bem quente e só depois adicionar os aromáticos. Não sei porquê, SÓ na carne moída eu fazia o contrário.

carne_moida_agridoce_semmedida_larissa_januario12Isto posto, vamos ao passo a passo. Aqui você começa fritando 500g de carne moída em 1 fio de azeite. Pode ser acém ou peito e para os mais fit, patinho ou peixinho. Deixe a carne dourar bem e só então tempere com sal.

Aqui a ideia era adoçar e caramelizar, para isso, usei açúcar de palma (vale qualquer açúcar). Depois acrescente 1/2 copo de água para que os temperos penetrem. Depois coloque a junte a pimenta Sriracha a gosto. Junte 1 xícará de pimentões (eu tinha sobras e usei as três cores, mas  use o que tiver) e deixe refogar ate murchá-los.

carne_moida_agridoce_semmedida_larissa_januario8

Finalize com raspas de limão e sirva no pão pita tostadinho ou com crostata. Se quiser, faça um vinagrete de vegetais para dar um toque de acidez. É só misturar 1 parte de líquido ácido (limão ou vinagre) para 3 de azeite e temperar vegetais como tomate, abobrinha, jiló e pepino.

carne_moida_agridoce_semmedida_larissa_januario9


Receita: Bolo de carne recheado com legumes e queijo

};?>

 

rocambole_carne_semmedida_larissa_januario14

Bolo de carne é uma das primeiras receitas mais elaboradas que fiz na vida. Acho que eu devia ter uns 11 anos. Adorava! É daqueles pratos que rendem e não exigem grandes acompanhamentos. Uma salada de folhas verdes já basta pra ter uma refeição completa. Também não exige ingredientes específicos.
almondega_sem_medida_larissa_januario25

Faça a massa com 500g de carne moída magra (peixinho ou patinho), 1/2 cebola média, salsinha picada, 1 ovo e 1 fatia de pão umedecido com leite (até virar uma papinha).  Tempere com sal e pimenta. Misture bem.

queijo_serro_semmedida_larissa_januario

Para o recheio corte uns 200g de queijo minas meia cura em cubinhos.
rocambole_carne_semmedida_larissa_januario

Eu tinha abobrinha e pimenta biquinho na geladeira e juntei ao queijo com mais meia cebola. Mas vale usar cenoura, berinjela, tomate e até abóbora.  Volta à massa de carne.

rocambole_carne_semmedida_larissa_januario15

Sobre uma folha de papel alumínio abra a massa de caren formando uma retângulo com no mínimo 1cm de altura. Não vale ficar muito fino, senão pode abrir e rachar enquanto assa.  No meio da massa, faça no sentido do comprimento um “caminho” com o recheio. Junte as bordas da massa com a ajuda do alumínio de forma que vire um chaurto.

rocambole_carne_semmedida_larissa_januario16

Feche bem para que não vaze recheio. Leve para assar enrolando no papel alumínio por 20 minutos em forno alto. Depois tire o papel e deixe pegar um bronze.

rocambole_carne_semmedida_larissa_januario17

Fatie e sirva com folhas como alface, chicória, rúcula e agrião.
rocambole_carne_semmedida_larissa_januario11


Receita passo a passo: Charutinhos com folha de uva, repolho e couve

};?>

 

Charutinho é algo que eu comia muito na infância. Lá em Goiás, como o quibe, eles são bem populares, as mães sempre fazem. Acho que é uma comida que combina com criança. O nome é lúdico e os ingredientes dificilmente desagradam. Sem contar que pra me agradar é só “xuxar” carne moída. Read the rest of this entry »