Cine Livraria Cultura exibe documentários de gastronomia gratuitamente

};?>

Entre os dias 23 e 25 de setembro acontece no Cine Livraria Cultura a partir das 18h a Mostra DOC Gastronômica. O evento GRATUITO exibirá uma série de filmes documentários que tratam de assuntos relacionados às formas de produção e consumo de alimentos, história e hábitos alimentares e seus impactos na sociedade atual e no planeta. As produção são de diferentes lugares do mundo.

Read the rest of this entry »


Vi por aí: Simplesmente Martha (Bella Martha)

};?>

 

 

 

Você tem que assistir! Não é possível que você não leu! Ah, mas você não posso morrer sem conhecer isso! Pois é. Eu sou dessas. Do tipinho meio mala que fica querendo obrigar os amigos a lerem, assistirem, visitarem ou comerem coisas que tenho a chance de experimentar por aí.

Na verdade por trás da chatice,  há só uma boa intensão de compartilhar com quem amo as coisas bacanas que eu encontro pela vida. E por isso, decidi oficializar aqui, na seção Vi Por Aí, os meus pitacos. A partir de hoje, a cada sexta-feira, aqui no Sem Medida eu vou trazer para vocês alguma sugestões de filmes, livros, lugares, comidas, utensílios e qualquer outra coisa que eu prove e aprove.

 

Vi Por Aí:  Simplesmente Martha

 

Inaugurando a seção eu trago um dos filmes de comida que eu mais gosto: Simplesmente Martha. O longa conta a história de  Martha Klein, uma alemã mal solitária, de pavio bem curto e sem papas na língua, que se esconde atrás do trabalho de cozinheira em um restaurante chique de Hamburgo.

Sua vida muda quando ela se vê obrigada a cuidar da sobrinha de 8 anos e ela ganha novo e não tão bem-vindo colega de trabalho.  Além das sutilezas do relacionamento humano, a história tem como pano de fundo o melhor do mundos: a comida. Entre ingredientes, panelas e pratos os personagens vão se envolvendo e te envolvendo numa deliciosa e sensível história.

O filme da diretora Sandra Nettelbeck  lançado em 2001, ganhou um remake norte-americano em 2007. O hollywoodiano No Reservations  (Sem Reservas) é igual, mas diferente. Ele não consegue 1/10 do charme, intensidade e dramaticidade do original alemão. Vale a pena encarar a brutalidade da língua!!!