Receita: Gazpacho Verde

};?>

 

 

gazpacho_verde_semmedida_larissa_januario3

Gazpacho, um grande amor de verão. Esquentou ele aparece na minha vida como um Tsunami de sabor. Apenas, amo essa combinação de sabores e cores. Mas fiz tanto o gazpacho clássico que enjoei. Sou dessas de que mata receitas a golpes de obsessão. Faço tanto, mas tanto, que chega uma hora que não dá mais.

Aí sou forçada a inventar versões de pratos que amo para resgatá-los na minha palheta de sabores. Numa dessas inventei esse gazpacho verde. Não, eu nao troquei o tomate maduro por verdes. Usei abobrinhas verdinhas. Sim, ficou incrível, vamos para a receita.

 

gazpacho_verde_semmedida_larissa_januario

Corte 1 pão velho em rodelas, vale usar também qualquer outro pão velho de sua preferência. Pique 2 abobrinhas bem verdinhas (médias), 1 penino japones, 1 pimentão verde e 1 cebola branca em cubos grandes.

gazpacho_verde_semmedida_larissa_januario2

Em uma vasilha coloque o pão e os vegetais. Junte dois dentes de alho descascados, 1/2 xícara de vinagre de arroz, 1/2 xícara de vinho branco seco, suco de 1 limão, sal e pimenta-do-reino. Opcional: eu coloquei cominho em grãos de cominho (uns 10) e duas pimentas verdes tostadas diretamente no fogo para dar um “defumê”.  Cubra com água filtrada (lembrando que a receita não vai ao fogo) e deixe descansar na geladeira por mais tempo possível para pegar gosto e tornar tudo mais fácil de digerir. Bata tudo no liquidificador e sirva geladinho.

gazpacho_verde_semmedida_larissa_januario4

 


Gazpacho: conheça a origem da sopa fria espanhola

};?>

gazpacho_editado4

Bem antes de se tornar um hit dos verões pelo mundo, a sopa fria espanhola era conhecida como “Gazpachillo del pobre”. Prato simples, consumido desde o século XVII pelos pobres da região da Andaluzia que, na necessidade de aplacar a fome, juntavam pão e água com o que tivesse. Tanto que o nome – de origem e influência árabe como quase tudo na Península Ibérica – significa pão encharcado, segundo a Larousse da Gastronomia.

Há um sem número de variações para um mesmo tema dentro e fora da Espanha. Mas é de conhecimento público que sem pão molhado, não há gaspacho. Outro ponto comum é sempre servi-lo frio. Já as combinações variam muito. Entre as mais sofisticadas está o ajo blanco ou gazpacho branco. Cordobês, medieval, de influência moçárabe, leva massa de amêndoas peladas. E o gazpacho rojo, já acrescido de tomate e pimentão.

Aliás, o tomate só encontrou gazpacho por volta do século XIX, quase 300 anos depois de a fruta ter chegado à Europa pelas mãos dos colonizadores. Há ainda uma versão portuguesa do prato com as verduras picadas em cubinhos bem pequenos e incorporados aos ingredientes líquidos em vez de triturados.