Receita: Dadinho de tapioca com jambú

};?>

O dadinho de tapioca é sem dúvida o maior clássico moderno da cozinha brasileira. Criado pelo gênio Rodrigo Oliveira, chef do maravilhoso restaurante Mocotó (e pra nossa sorte do Esquina Mocotó e do novíssimo Balaio), é a prova saborosa de que receita boa tem que ser compartilhada.

Rodrigo, que tenho o privilégio de conhecer pessoalmente, é daquelas pessoas bacanas e generosas e nunca se fez de rogado. Desde sempre compartilhou com quem quisesse a sua criação. Uma receita simples, democrática e o principal, deliciosa. E como toda receita viva, ela vai se modificando de mão à mão, de fogão a fogão. Aqui em casa a gente trocou o queijo coalho por meia cura mineiro. E ficou maravilhoso, uma espécie de pão de queijo frito.

Às vezes, eu até tempero com algumas ervas. Vale coentro, jambu, manjericão… Sua criatividade é quem manda.  Segue a minha versão.

Ingredientes

1L de leite

500g de queijo meia-cura ralado grosso

500g de tapioca granulada

Folha de jambu frescas (opcional)

Sal a gosto

Pimenta-do-reino a gosto

Preparo

Leve à geladeira por pelo menos três horas para firmar bem a massa. Desenforme sobre uma tábua de corte fatie em cubos.

Forre uma forma retangular de pelo menos 20cm por 10cm  com plástico filme e reserve. Leve o leite para ferver em uma panela média, com uma pitada de sal e pimenta-do-reino. Não carece de muito sal, pois o queijo já é bem salgado então vá com calma.  Em uma tigela, misture a tapioca e o queijo.

Quando o leite ferver, desligue o fogo, adicione o queijo com a tapioca e misture bem. Rapidamente, transfira a mistura para a forma forrada. Tem que ser rápido para não esfriar na panela.

Aqueça uma panela com óleo e frite os dadinhos até ficarem dourados. Se quiser ser mais light, disponha numa assadeira untada e asse em forno alto até dourar.


Receita: Mil Folhas de Frango Cremoso e Salada Cítrica de Couve

};?>

 

 

WTH? Você se pergunta ao ler o nome dessa receita. E eu explico com uma frase: fiz o jantar com a rapa na geladeira e deu tão certo que achei justo registrar. Mas você tinha tudo isso na geladeira. Explico.

Além de aqui ser uma casa de cozinheiro (seeeeempre tem sobras), eu tenho algumas poucas teorias nessa vida. Uma delas é que só compro frango caipira e inteiro. É uma forma de abrir uma janela pra consciência alimentar.  Aproveito todo o animal, separo partes para diferentes fins, faço caldo com a carcaça e desfio as carnes restantes já cozidas para usar em recheios, tortas, sopas e saladas.

Foi com tais sobras de frango desfiado que surgiu esta receita. Além de lindinha, ficou levinha e saborosa. A cara do verão. Sem contar que pode ser uma entradinha charmosa nas mesas festivas de fim de ano.

Receita: Mil Folhas de Frango Cremoso e Salada Cítrica de Couve

Ingredientes (para 4 pessoas)

Para o Mil folhas
1 pacote de pão sueco (esse que parece uma folhinha de papel seca e crocante)
1 xícara de chá de frango desfiado
3 colheres de sopa de coalhada seca
2 colheres de sopa de azeite de oliva
1 mini pimentão  vermelho picado em cubinhos
1/2 cebola roxa picadinha  em cubinhos
salsinha picada a gosto
Pimenta-do-reino
sal
suco de meio limão
1 pimenta de cheiro picada

Para a Salada
6 folhas de couve
Suco de 1 laranja
1/2 cebola roxa picada em cubos
1/2 pepino japonês   picado em cubos
1 colher de sopa de mostarda dijon
1/2 xícara de azeite

Preparo


Junte a cebola, o pimentão, a pimenta de cheiro, o sal a pimenta-do-reino, a  coalhada e misture. Acrescente o frango e salsinha  e mexa bem até virar uma pasta. Coloque o azeite para dar mais cremosidade. Reserve.

Para a salada retire o talo das folhas de couve, faça um rolinho com elas e fatie o mais fino que conseguir. Reserve.

A parte faça o molho da salada. Junte o suco da laranja, a mostarda, o azeite, e os vegetais picados. Se quiser junte um pimenta dedo-de-moça sem sementes.

Misture o molho na couve garantindo que todas as folhas sejam cobertas por ele.

Monte o mil folhas (só na hora de servir para o pão não ficar molengo) alternado uma camada de pão sueco com uma de pasta de frango.

Quatro camadas bastam para manter o equilíbrio. Finalize com ciboulette ou cebolinha. e Sirva com a salada de couve. Você vai se surpreender.

 


Receita: Berinjela (quase) à Parmegiana

};?>

 

Sigo na onda do calor que FINALMENTE assola o hemisfério sul. Sim, pra quem ainda não sabe, eu AMO calor. Adoro suar nas costas. Me sinto disposta, viva, leve, sem fome e sem sono. Por isso, nessa época abandono um pouco a carne e os preparos pesados. Mas sigo amando queijo, tomate e sabor. E essa receita reúne tudo isso.

Na verdade é quase um truque pra você fazer gordice, com uma sacada pra consciência (porque combinar queijo + molho é mais que uma janela). Vamos ao preparo que não deve levar muito mais tempo que o corte da berinjela e o tempero do molho. Ah! E o quase se deve ao fato de que ignorei solenemente a parte em que se empana e frita a berinjela.

Receita: Berinjela (quase) à Parmegiana

Ingredientes (para duas pessoas)
2 berinjelas médias (10cm no maximo) ou uma enooorme
1/2 vidro de passata de tomate (ou molho pronto da Taormina, da dona Helena, minha “ídola”, que foi o que eu usei)
sal e pimenta a gosto
queijo preferido a gosto (eu usei minas meia cura que é o que sempre tenho em casa)
algumas folhas de manjericão (ou a sua erva de preferência, vale orégano, salsa, alecrim, desde que esteja fresca pra combinar com o frescor da receita)

Preparo

Fatie a berinjela no sentido do comprimento. De ponta à ponta.  Não precisa e nem deve  fazer fatias muito finas (no máximo 1 cm de espessura). Quanto mais grossas mais tempo terão de ficar na grelha. Coloque as fatias de molho na água com algumas gotas de limão. Aqueça uma frigideira antiaderente.  Disponha as fatias na grelha sem nada e deixe dourar. Na verdade vai dar uma leve tostada o que é ago positivo e saboroso.

Se você for usar o molho pronto da Dona Helena minha participação quase acaba aqui. Eu geralmente faço meus molhos, mas é de quando compro é de extrema importância escolher produtos de qualidade e com o minimo de aditivos possível. Nesse caso, eu confio muito na Dona Helena e seus produtos.

Caso contrario, use a passata. Refogue a pasta em um pouco de azeite (1 colher de sopa), coloque um colher de sobremesa de sal, uma de café de açúcar e deixe ferver por 10 minutos. Prove, acerte o sal e reserve. Vamos à montagem.

Monte em uma travessa única ou em porções individuais começando por uma camada de molho, uma de berinjela e um pouco de queijo. Alterne as camadas. Sempre controlando dua necessidade de queijo e molho. Sempre lembrando que tudo está cozido nesta receita, o queijo só precisa derreter. Logo, não surte. Repita as camadas até faltar um dedo da superfície do refratário.  Leve ao forno alto até tostar o queijo, ou só derreter. Coma até morrer. SEM CULPA!!! Esse prato tem baixo teor calórico, pode substituir o queijo minas por ricota, mas não ficará na mesma textura.

 

 


Receita: Salteado de Legumes e Carne (prato leve e rápido)

};?>

 

Vem chegando o verão e o calor no coração faz pesar na barriga. Daí que a única forma de ser feliz é comendomenos e de forma mais leve. Uma saída aqui em casa sempre são os legumes. Essa combinação é daquelas de fazer a rapa na geladeira no melhor estilo Sem Medida.

Não dá nem pra chamar de receita, porque vai de você e do que você tem  e gosta. O importante é fazer tudo bem rápido para manter a suculência e crocância dos legumes. Se cozinhar demais ficará tudo com o mesmo gosto e sem nenhuma textura. Vamos ao que interessa.

Receita: Salteado de Legumes e Carne (prato leve e rápido) 

Ingredientes
Legumes variados – eu tinha 1 pimentão vermelho, 1/2 brócolis americano, parcas couves-flores, 1 cenoura (vale vagem, ervilha torta, tomates…)
1 cebola  cortada cubos grandes
Sobras de repolho e acelga cortadas/rasgadas grosseiramente
Tiras de carne (eu tinha umas aparas de filé mignon que sobraram de uma peça que usei para rosbife, mas vale alcatra ou fraldinha, o mais importante é não cozinhar demais)
1 fio de óleo (eu usei o de gergelim, mas vale azeite de oliva também)
Shoyu  (vai a gosto mesmo, mas pegue leve pra não salgar demais, 1/4 de xícara basta)
1 colher de nampla – molho de peixe (dá profundidade)
Pimenta dedo-de-moça (usei uma com semente pra ficar picante)
1 pitada de gengibre
1 gole de saquê culinário (ou vinho branco)
Preparo

Salteie a carne na frigideira quente no óleo.  Uns cinco minutos bastam para que ela perca o vermelho intenso. Despeje em um recipiente a parte e conserve quente dentro de um forno ou microondas.

Coloque a cebola, a cenoura em rodelas finas e o pimentão  em cubos grandes na frigideira quente e untada com óleo. Deixe corar um pouco. Quando a cebola começar a ficar transparente junte o brócolis e a couve-flor. Mantenha o fogo alto. Junte as folhas.

Misture bem os vegetais e acrescente a carne. Coloque todos os líquidos e certifique-se de que o suco vai envolver todos os vegetais e a carne.  Salpique a pimenta picada e o gengibre ralado.

Mexa e deixe ferver por uns 2 minutos (até sumir o cheiro de álcool). Desligue o fogo e sirva imediatamente.  Se tiver no pique coma com arroz, mas acho mesmo que não carece.

 


Receita: Espaguete falso de cenouras ao molho de almôndegas cítricas (low carb)

};?>

 

Está quente como há tempos não ficava aqui na Paulinóia. Longe de mim reclamar disso. Amo o calor, o sol e tudo que cerca este contexto. Até a dieta é favorecida com o calor. Quando esquenta assim fica difícil atolar o bucho em comida pesada e hiper calórica. A sugestão é aproveitar a onda e dar uma afinada.

Read the rest of this entry »