Caldo de Legumes Caseiro

};?>

legmes_caldo

*por Marina Kawata

Não é novidade que os caldos industrializados fazem mal à saúde. Os tabletes e pozinhos Knorr, Maggi, Ajinomoto, Sazon e tantas outras marcas, além de serem cheios de sódio, contém gordura hidrogenada, corantes artificiais, glutamato monossódico e intensificadores de sabor. Esses caldinhos dissimulados, ao invés de realçarem o sabor, mascararam o gosto natural dos alimentos.

Quer mais motivos para fazer seu próprio caldo em casa? Um caldo de legumes fica pronto em 40 minutos, é muito fácil de ser preparado e é barato. Pode ser guardado por 1 semana em geladeira ou congelado em pequenas porções para ser usado em pratos como risotos, sopas, cozidos etc.

Basicamente é necessário que se tenha 3 ingredientes para o preparo de um caldo. São eles cebola, cenoura e salsão que, utilizados na proporção de 1 parte de cebola para ½ do restante, formam um aromático clássico chamado mirepoix (lê-se mirepoá). À partir disso, é possível acrescentar outros ingredientes também aromáticos, como dentes de alho, folhas de louro, pimenta em grãos, ervas frescas e secas e até o que costumamos descartar, como talos de salsinha, partes mais duras dos aspargos e cabos de cogumelos. Não tem regra, o que vale é reduzir desperdício e ganhar sabor.

Esta é uma receita básica que sempre tenho no congelador. Rende 4 litros.

Ingredientes

¼ xícara de óleo
½ cenoura
1 talo de salsão sem as folhas
1 cebola média
3 dentes de alho
1 tomate
1 alho poro (apenas a parte verde)
2 cravos da índia
Talos de salsinha
1 folha de louro
Pimenta do reino em grãos
Algumas sementes de erva doce
1 gaze ou um porta chá e um pedaço de barbante
4,5 litros de água

Modo de Fazer

Vamos começar preparando um sachê com os ingredientes pequenos para que eles não se percam no caldo e fiquem mais fáceis de serem coados posteriormente. Coloque o louro, os talos de salsinha picados, cravos e erva doce em uma gaze, amarre com um barbante e reserve. Esse sachê é chamado de sachê dépices.

sachet_depices

Aqueça o óleo e refogue os vegetais. Adicione a água e, assim que levantar fervura, abaixe o fogo e adicione o sache d’épices. Mantenha no fogo por 40 minutos, sempre em fogo baixo. Coe e guarde em potinhos para congelamento ou para uso posterior.

Marina Kawata é jornalista e especializada em gestão de empresas, mas é na cozinha que encontrou sua paixão. É vegetariana e acredita que a alimentação saudável é a chave para a saúde, desde que a comida seja gostosa!


Sushi de Tofu Frito (Inarizushi)

};?>

tofu_frito

*por Marina Kawata

Mais uma receita para a sessão comidas da minha infância. Já falei aqui sobre os encontros com a minha família japonesa nos finais de ano e nas missas budistas. Sempre tinha muita variedade de sushis e esse é um dos meus favoritos.

A barquinha é feita de tofu frito, chamado de aburaage (fala-se aburá-aguê, que significa frito em óleo). O preparo é bastante simples, depois é só rechear com o arroz japonês preparado pra sushi. Fácil e delícia!

Na receita original usa-se o molho dashi, que é feito com alga e peixe. Como não trabalhamos com carnes, fiz algumas adaptações para dar sabor ao caldo vegetariano.

Ingredientes

Para o tofu
8 quadrados de tofu frito
2 xícaras de chá de caldo de legumes
1 pedaço de aproximadamente15 cm de alga kombu
2 colheres de sopa de shoyu
2 colheres de sopa de mirim (saque culinário)
3 colheres de sopa de açúcar demerara
(Eu tinha uns cabinhos de shiitake e coloquei junto no molho para dar sabor, pode colocar também cabinho de cheiro verde)

Para o arroz
2 xícaras de chá arroz japonês (480ml)
480ml de água
2 colheres de chá de sal
2 colheres de sopa de açúcar
4 colheres de sopa de vinagre de arroz
Gergelim preto para decorar

Modo de fazer

Arroz
Lave bem o arroz até que a água fique cristalina. Deixe de molho por 30 minutos. Escorra e coloque na panela com a água em fogo alto. Quando ferver, abaixe o fogo e cozinhe com a panela semi-tampada. Em 15 minutos aproximadamente ou quando a água tiver secado, desligue o fogo e tampe a panela por 10 minutos.
Misture o restante dos ingredientes até dissolver o açúcar. Coloque o arroz em um recipiente de vidro ou plástico e misture o molho. Abane o arroz para que ele esfrie ao mesmo tempo em que absorve o molho.
Cubra o arroz com um pano úmido até o momento de usar.

Tofu
Corte os quadrados de tofu ao meio. Ferva por 5 minutos em uma frigideira funda. Se tiver alguma tampa menor para colocar sobre o tofu, é bom para que eles não fiquem boiando. Esse processo é feito para tirar o excesso de óleo do tofu.

age

Escorra a água, esprema e seque o tofu com um papel toalha e abra-os do lado que foi cortado. Reserve.

Coloque os demais ingredientes na mesma frigideira e aqueça até dissolver o açúcar. Adicione os pedaços de tofu, cubra da mesma forma para que eles fiquem submersos no líquido e aguarde a água secar, virando-os em alguns momentos para que absorvam o líquido por igual.

Aguarde esfriar e recheie com o arroz. Salpique um pouco de gergelim para decorar e sirva.

*Marina Kawata é jornalista e especializada em gestão de empresas, mas é na cozinha que encontrou sua paixão. É vegetariana e acredita que a alimentação saudável é a chave para a saúde, desde que a comida seja gostosa!


Bolinho de Feijão Fradinho com Ora pro Nobis

};?>

bolinho_mineiro

*por Marina Kawata

Semana passada estive em São João Del Rei e Tiradentes e voltei apaixonada por essa região de Minas Gerais. Clima bucólico, ruas de paralelepípedos e muita natureza, além de uma infinidade de igrejas. Trouxe na mala diversas histórias, algumas receitas e comida boa!

Claro que eu não poderia deixar de falar da gastronomia desse lugar. Ganhei uma muda de ora pro nobis, que é uma PANC (planta alimentícia não convencional) considerada mato em São Paulo, e que é muito usada como cerca viva. Nesta região de Minas a ora pro nobis é bem popular e está presente em diversos pratos, como o frango caipira com ora pro nobis. Refogada com cebola e alho fica uma delícia.

No Mercado Municipal de São João ouvi falar de um bolinho de feijão fradinho que me deixou aguada pra comer. Assim que voltei de viagem já coloquei o feijão de molho pra preparar os tais bolinhos. Mesmo não sendo muito fã de fritura, gostei bastante do resultado. Tentei fazer assado também, mas não ficou bom. Este bolinho é bem saudável, pois a massa leva apenas feijão fradinho e temperos.

Minha ideia era fazer uma espécie de acarajé, recheando com ora pro nobis e queijo meia cura, mas os bolinhos precisam ser fritos em tamanho pequeno para que não fiquem crus no meio. Então não pude colocar tanto recheio quanto esperava. A combinação de ora pro nobis e bolinho de feijão ficou muito boa!

Ingredientes

250g de feijão fradinho cru
1/2 pimenta dedo de moça sem as sementes
Sal a gosto
Óleo para fritar
Azeite
1 cebola em cubos mínimos
1 dente de alho picadinho
1 maço de ora pro nobis

Modo de Fazer

Lave o feijão e deixe de molho de um dia para o outro. Esfregue bem o feijão para soltar a casca e descarte-as.

bolinho_feijao_massa

Escorra toda a água e triture o feijão cru em um processador ou no liquidificador. Não precisa deixar muito picado, alguns pedaços maiores ficam bem gostosos. Pique a pimenta dedo de moça e junte à massa de feijão. Adicione sal e misture bem.

bolinho_feijao_fritura

Aqueça o óleo em uma panela e monte os bolinhos com o auxílio de duas colheres, passando de uma para outra até dar o formato de quenelle. Frite em fogo médio para que os bolinhos não queimem por fora e fiquem crus por dentro.

Aqueça o azeite coloque a cebola picadinha, deixe fritar por um minuto e adicione o alho. Não deixe dourar. Adicione a ora pro nobis e refogue até que as folhas estejam macias.

Corte os bolinhos ao meio e recheie com o refogado.

*Marina Kawata é jornalista e especializada em gestão de empresas, mas é na cozinha que encontrou sua paixão. É vegetariana e acredita que a alimentação saudável é a chave para a saúde, desde que a comida seja gostosa!


Salada de Abacate

};?>

salada_abacate

*por Marina Kawata

Esta salada é semelhante a uma guacamole, com a diferença que os ingredientes são picados praticamente no mesmo tamanho, inclusive o abacate. Eu prefiro assim, acho mais bonito e mais gostoso do que com o abacate amassado.

Ingredientes
2 abacates avocado pequenos (aquele da casca escura)
2 xícaras de chá de tomate sweet ou perinha
½ pimenta dedo de moça sem as sementes
1 limão Taiti
½ cebola roxa
4 colheres de sopa de coentro picado (apenas as folhas)

Modo de fazer
Corte os tomatinhos ao meio, a cebola em cubos mínimos e a pimenta dedo de moça o menor que puder. Descasque os abacates e corte em cubos médios. Em um bowl, esprema o limão e misture o sal. Adicione todos os ingredientes e misture. Sirva imediatamente.

*Marina Kawata é jornalista e especializada em gestão de empresas, mas é na cozinha que encontrou sua paixão. É vegetariana e acredita que a alimentação saudável é a chave para a saúde, desde que a comida seja gostosa!

 


Mandioquinha Rosti

};?>

mandioquinha_rosti

*por Marina Kawata

Esta receita é uma adaptação da tradicional batata rosti, também chamada de batata suíça. Usei azeite para ficar um prato vegano, mas o preparo original é feito com manteiga. O jiló refogado combinou muito, dando um sabor amarguinho para o prato.

Ingredientes
3 mandioquinhas pequenas
1 colher de sopa de azeite
Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de fazer
Descasque as mandioquinhas e cozinhe por alguns minutos, mas não deixe que elas fiquem moles. Elas devem ficar no ponto de espetar um garfo com alguma dificuldade. Escorra a água e rale as mandioquinhas.

mandioquinha_ralada

Em uma frigideira pequena, aqueça metade do azeite e coloque metade da mandioquinha, espalhando como se fosse uma panqueca. Pressione um pouco com a colher para que os pedaços grudem um pouco. Aguarde alguns minutos. Quando estiver dourado embaixo, vire a mandioquinha para que doure do outro lado. Para facilitar, use um prato no momento de virar. Adicione sal e pimenta do reino. Quando dourar o outro lado, tire da frigideira e sirva.
Rende duas mandioquinhas rosti.

*Marina Kawata é jornalista e especializada em gestão de empresas, mas é na cozinha que encontrou sua paixão. É vegetariana e acredita que a alimentação saudável é a chave para a saúde, desde que a comida seja gostosa!