Spaghetti al pomodoro (ou massa com molho de tomate)

};?>

spaghetti_tomate

Não tenho dúvida que esse é o meu prato predileto. De setembro a fevereiro encontramos tomates bons e baratos aqui na região Sudeste. Neste período eu aproveito para fazer quilos de molho e congelar pro inverno. Usar  ingredientes fora de época significa muito mais agrotóxico e menos sabor, além de preços bem mais altos. Quem não se lembra e sente arrepios quando o kg do tomate chegou a R$15,00?

Existem muitas variações para molhos de tomate, em pedaços grandes, ao sugo, com salsinha, manjericão, canela, cebola, açúcar, berinjela, mirepoix e até crus, apenas esmagados sobre o macarrão. Na Itália comi muitas vezes este prato com os tomates quase, ou totalmente crus e praticamente nada de tempero, prevalecendo o sabor doce e sem acidez do tomate de lá. O sal ficava por conta do parmesão.

De todas as receitas com tomates frescos que já fiz, esta é a que fica com a cor mais bonita, um molho vermelho escuro que dá gosto de ver, e de comer! Por ser feito com tomates comuns, encontrados em feiras de rua, demanda cerca de 1h de cozimento para reduzir a acidez. O resultado é um molho muito concentrado e que perfuma a cozinha! Devido à grande quantidade de azeite, fica com muito brilho e sabor, e conserva-se por bastante tempo. Pode ser guardado por vários dias em geladeira ou congelado.

Ingredientes

– 1,3 kg de tomate italiano bem maduro, o mais vermelho que encontrar
– 1 xícara de chá de azeite de oliva extra virgem
– 1 punhado de manjericão
– 5 dentes de alho inteiros
– 1 colher de sopa de sal marinho
– 1 pacote de spaghetti de grano duro
– pimenta do reino moída na hora
– 100g de parmesão para ser ralado na hora

Modo de fazer

Em uma panela grande, coloque água até a metade e leve para ferver. Lave bem os tomates e faça um corte em forma de cruz.

tomate_corte

Coloque os tomates na água quente e aguarde uns 30 segundos, ou até que a pele dele comece a soltar. Escorra a água, mergulhe todos os tomates em água fria e retire a pele deles, descartando-a junto com as partes machucadas e a tampa. Corte cada tomate em quatro partes e separe as sementes, colocando-as sobre uma peneira.

Corte os tomates com a ponta da faca, de forma que fiquem pedaços muito pequenos, o menor possível. Não bata no liquidificador, pois ele ficará com uma cor alaranjada e aqui queremos um molho bem vermelho.

Aqueça ½ xícara de azeite e doure os dentes de alho. Coloque os tomates, as folhas de manjericão, o caldo que escorreu das sementes e o sal. Deixe cozinhar por no mínimo 40 minutos, com a panela destampada, ou até que o molho reduza bastante e fique bem encorpado. Mexa de vez em quando para não grudar. Acerte o sal, coloque pimenta do reino moída na hora e o restante do azeite.

Ferva uma panela grande com água e 1 colher de sopa de sal. Coloque o spaghetti para cozinhar conforme as instruções da embalagem. Escorra. Não jogue água, nem manteiga, nada. Junte a massa ao molho de tomate. Sirva com um bom queijo parmesão e folhinhas de manjericão para decorar.

*Marina Kawata é jornalista e especializada em gestão de empresas, mas é na cozinha que encontrou sua paixão. É vegetariana e acredita que a alimentação saudável é a chave para a saúde, desde que a comida seja gostosa!


Receita: Trilha com Mini Arroz ao Coco com Pesto Verde Picante

};?>

 

 

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida15

Se você como eu ama camarão, mas não pode viver dele, venha para o mundo da trilha. Um peixinho que vive no rastro do crustáceo e por isso, tem sabor e cor semelhante. Não é fácil de encontra, por isso, sempre que acho estoco no freezer. Vale assar, ensopar e fritar, meu método favorito. A seguir a receita mais recente que preparei com o peixinho.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida

Comece pelo arroz. Eu escolhi o mini arroz, um produto exclusivamente brasileiro, descoberto no interior de SP pelo produtor Chicão Ruzene. Uma preciosidade da nossa biodiversidade. Na versão integral demora mais para cozinhar, como o arroz comum.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida2

Para agilizar o cozimento eu dei uma pré-tostada nos grãos (1 xícara de chá para servir duas pessoas).  Depois adicionei talo de cebolinha verde para aromatizar e refoguei.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida3

Cobri com água quente e deixei ferver.  Quando começou a borbulhar reduzi o fogo e deixei cozinhar até secar a água.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida4

Depois de seco, acrescentei coco ralado e leite de coco (1 xícara).

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida6

A ideia é que fique cremoso. Por isso, desligue e finalize com a parte verde das cebolinhas.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida13

Para o pesto verde picante, basta bater 1 maço pequeno de coentro, 1 de salsinha com aji amarilo ou alguma pimenta de sua preferência, 1 dente de alho, suco de 1 limão e azeite suficiente para cobrir.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida7

As trilhas que eu tinha estavam sem cabeça porque as usei para um caldo.  Mas você pode usá-las inteiras. Peça apenas para o peixeiro tirar as espinhas. Faça uns cortes rasos na pele para que fique ainda mais crocante e facilite o cozimento.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida9

Eu gosto de preparar peixes da maneira mais simples. Tempere com sal e pimenta e passe na farinha de trigo.  Isso vai deixar a pele bem crocante.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida10

Em uma frigideira pré-aquecida com azeite, coloque as trilhas e deixe dourar em fogo médio.
trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida12

Vire e deixe dourar do outro lado. Sirva com o arroz de coco e um pouco do molho picante.

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida18


Glossário: Mini Arroz

};?>

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedidaO Mini Arroz é um ingrediente genuinamente brasileiro, descoberto pelo produtor Francisco Ruzene, no Vale do Paraíba. É o menor grão de arroz do mercado, de aroma floral e delicado.  É ideal para ser preparado al dente ou em receitas de tradicionais à base de arroz como risotos e paellas. Disponível na versão integral e polido.

 


Receita: Ovos com brotos de Ora-Pro-Nobis e Shitake

};?>

 

fritada_orapronobis_ovo_larissa_januario_semmedida10

Eu sempre como ovos fritos com espinafre. Uma combinação que rende um ótimo jantar. Certa noite, num desses meus momentos de limpa na geladeira eu troquei o espinafre por ora-pro-nobis e ainda incrementei a fritada com alguns cogumelos  shitake.
fritada_orapronobis_ovo_larissa_januario_semmedida

Para quem não conhece o ora-pro-nobis (vai lá no glossário) é uma verdura rica em ferro, cálcio e fósforo. Por isso, é capaz de render pratos nutritivos e saborosos como esse.

fritada_orapronobis_ovo_larissa_januario_semmedida2

Corte as folhas e os cogumelos em fatias finas.
fritada_orapronobis_ovo_larissa_januario_semmedida7

Em uma frigideira coloque um fio de azeite de oliva e refogue os cogumelos, depois acrescente as folhas de ora-pro-nobis. Quando elas murcharem, quebre dois ovos sobre tudo.  Deixe o ovo cozinhar até o ponto desejado. Eu gosto bem mole.  Finalize com flor de sal e sirva com torradas. Caso não ache ora-pro-nobis, use o próprio espinafre ou qualquer folha escura como escarola ou chicória.

fritada_orapronobis_ovo_larissa_januario_semmedida9

 


Glossário: Peixe Trilha

};?>

trilha_miniarroz_larissa_januario_semmedida12

A trilha é um peixe de água salgada que anda sempre no rastro dos cardumes de camarão. Daí o nome trilha e daí também a justificativa da sua cor rosada e sabor semelhante ao do crustáceo. Sua carne é branca, macia e delicada e como se alimenta das mesmas coisas, no paladar lembra o camarão. Tem espinha pequena, fácil de ser retirada.  Não é fácil de ser encontrada, mas vale a busca. Fica deliciosa grelhada, frita ou assada. E ainda é bem mais barata que o camarão.